Campo Grande, Quinta-feira 25 de abril de 2019
06/02/2019 08h45 - Atualizado em 06/02/2019 08h45

Câmara abre processos para cassar quatro vereadores suspeitos de fraudes

Comissões foram definidas por sorteio na noite desta segunda-feira e integrantes da base aliada da prefeita ocupam 11 das 12 vagas

Por Helio de Freitas - Campo Grande News

Auditório da Câmara de Dourados quase vazio na noite desta segunda-feira Auditório da Câmara de Dourados quase vazio na noite desta segunda-feira

Apontado como chefe de uma organização criminosa instalada no Legislativo municipal para fraudar processos de licitação e atualmente preso na penitenciária de segurança máxima, o vereador afastado Idenor Machado (PSDB) virou alvo de uma Comissão Processante que poderá pedir a cassação de seu mandato por quebra de decoro parlamentar

A decisão foi tomada na noite desta segunda-feira (4) em Dourados, a 233 km de Campo Grande, durante a primeira sessão ordinária de 2019. Idenor presidiu a Câmara por seis anos, de 2011 a 2016.

Também foram instalados processos de cassação dos mandatos de outros três vereadores afastados após operações no ano passado – Pedro Pepa (DEM), Pastor Cirilo Ramão (MDB) e Denize Portolann (PR). Os pedidos foram apresentados pelo Movimento Dourados contra a Corrupção. A sessão terminou às 23h25.

Formadas por sorteio, as comissões serão dominadas por vereadores da base aliada da prefeita Délia Razuk (PR), da qual fazem parte os quatro vereadores alvos dos pedidos de cassação. Das 12 vagas, 11 ficaram com integrantes da tropa de choque da prefeita.

A denúncia contra Idenor será conduzida por três aliados dele no Legislativo – Janio Miguel (PR), Junior Rodrigues (PR) e Cido Medeiros (DEM). Jânio foi escolhido presidente, Junior relatou e Cido como membro.

Curiosamente, Jânio Miguel e Junior Rodrigues se ausentaram do plenário na hora que todos os pedido de abertura da Comissão Processante foram votados.

A denúncia foi aprovada por 15 votos a favor e as duas abstenções. Por entendimento da Mesa Diretora, os suplentes Toninho Cruz e Marinisa Mizoguchi (ambos do PSB) não votaram, por serem partes interessadas.

Demais vereadores

Também foi aprovada na sessão desta noite a abertura de pedido de cassação contra os vereadores afastados Pedro Pepa (DEM), Pastor Cirilo Ramão (MDB) e Denize Portolann (PR).

Assim como Idenor, Pepa e Cirilo foram presos na Operação Cifra Negra, em 5 de dezembro de 2018, mas os dois estão em liberdade.

Denize está na cadeia desde 31 de outubro do ano passado, presa na Operação Pregão, que investiga atos de corrupção envolvendo licitações da prefeitura. Ela foi secretária de Educação de 2017 a 2018.

A Comissão Processante contra Pedro Pepa tem como presidente Carlito do Gás (Patriotas), como relator Olavo Sul (PEN) e como membro Janio Miguel. Olavo é o único que não faz parte da base aliada da prefeita a ocupar um cargo nas comissões.

Envie seu Comentário