Campo Grande, Segunda-feira 17 de dezembro de 2018
21/11/2018 10h05 - Atualizado em 21/11/2018 10h05

Orla Morena: vereador, moradores e autoridades discutem reforço da segurança no local


Por Heloísa Lazarini-Assessoria de Imprensa Vereador

Na noite desta terça-feira (20), o vereador Otávio Trad (PTB) se reuniu com os moradores da Orla Morena para conversar sobre os problemas de segurança enfrentados por quem vive e trabalha na região.

Participaram da reunião, convocada pelo vereador, o Secretário Especial de Segurança e Defesa Social de Campo Grande, Valério Azambuja, o Comandante da Polícia Municipal, Anderson Gonzaga, o Comandante do 1º BPM Cel Claudemir, as investigadoras da Polícia Civil Maria de Campos e Viviane Nunes, do Conselho de Segurança da Área Central.

Durante a maior parte da reunião, as autoridades presentes ouviram relatos dos moradores. Eles contam sobre o som alto que aos finais de semana ultrapassa horário das 22h permitido por lei e segue até madrugada além de roubos e furtos de comércios e residências.

Uma das moradoras mais antigas do bairro, Maria conta que hoje a Orla Morena não é mais o local agradável, tranqüilo destinado ao lazer e à família como era quando foi inaugurada. "Eu moro aqui há mais de 30 anos, e hoje não temos mais paz, é o som alto, é a violência nem para vir a feira ou praticar exercícios temos mais segurança", desabafa.

Os moradores também criticaram a falta de policiamento fixo no local e solicitaram construção de um posto policial assim como aumento da fiscalização, principalmente aos finais de semana, para pôr fim aos problemas com som alto em horários não permitidos e evitar vandalismo e depredação do espaço.

De prontidão, o secretário Valério Azambuja e o Comandante do 1º BPM Cel Claudemir anteciparam que irão aumentar o efetivo de rondas no local, em especial nos finais de semana, e estudar uma maneira conjunta e fixar policiamento na Orla. O Secretário também anunciou a criação de uma força tarefa em parceria com demais secretarias municipais para averiguar as possíveis infrações à lei do silêncio.

Envie seu Comentário