Campo Grande, Segunda-feira 17 de dezembro de 2018
24/10/2018 22h19 - Atualizado em 24/10/2018 22h19

Vereador parabeniza professores por paralisação e repudia prefeito por tentativa de impedir ato


Por Redação

O dia de paralisação dos professores municipais de Bandeirantes terminou na Câmara Municipal do Município. Os educadores acompanharam a sessão ordinária do legislativo realizada na noite desta terça-feira (23) para pedir apoio aos vereadores na luta pelo cumprimento do piso nacional, estabelecido pela Lei Federal n. 13.738/08, que prevê valor base de R$ 2.455,35 para 40 horas semanais.

Após reunião de quase uma hora com os professores, na manhã de ontem, o prefeito Álvaro Urt, se comprometeu a pagar o piso nacional a partir de 1 de janeiro de 2019, porém não ficou definido ainda como será pago valor retroativo aos anos de 2017 e 2018. Por isso, há ainda clima de insegurança por parte dos professores municipais.

Para o vereador Luis Fernando Sauer, a preocupação dos professores se baseia na falta de diálogo com administração atual, que nos últimos dois anos não cumpriu a lei do piso nacional. "Primeiramente gostaria de parabenizar os professores e o Sinteban pela paralisação de hoje (ontem) e por lutarem pela garantia de um direito previsto em lei. Muitas pessoas me perguntaram qual foi o clima do dia de hoje (ontem). Percebi um clima de desconfiança, ouvi muitos professores se questionando ‘será que o prefeito vai cumprir sua parte do acordo?’ E eles têm motivo para pensar assim, afinal, em dois anos, o prefeito não demonstrou nenhum sinal de valorização do professor ou da educação em nosso Município. Mas é por isso, que nós do Legislativo Municipal, estamos aqui e apoiamos integralmente os professores. Podem contar com esta Casa de Leis", disse o vereador.

Ontem no início da tarde, o parlamentar antecipou ao Correio do MS que a Câmara irá apresentar emenda à Lei Orgânica 2019 para garantir que o pagamento dos valores retroativos ao piso nacional dos anos de 2017 e 2018 esteja previsto no orçamento, evitando, assim, descumprimento por parte do prefeito.

Ameaça e repúdio

Em seu pronunciamento, o vereador também se manifestou contrário à atitude do prefeito de Bandeirantes pela tentativa de coibir os professores de participarem da paralisação. "Meu gabinete vai encaminhar uma moção de repúdio ao prefeito, pois ele encaminhou um ofício aos professores tentando coibi-los de participar da paralisação, isso afeta principalmente os contratados, não podemos tolerar esse tipo de pressão", afirma. O vereador ainda ressaltou que a justificativa do prefeito de que não há verbas para pagar o piso nacional não se confirma, uma vez que o Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação) destina recursos conforme número de habitantes de cada município já carimbados para educação.

Envie seu Comentário