Campo Grande, Sábado 24 de fevereiro de 2018
13/02/2018 12h07 - Atualizado em 13/02/2018 12h07

Conheça Paulo Corrêa, Deputado Estadual – Pré candidato a reeleição


Por Leandro Medina

Descendente de nordestinos, Paulo Corrêa nasceu em Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, no dia 24 de julho de 1957. Quando tinha apenas meses de vida sua família mudou-se para a fazenda Acurizal, localizada na região da Serra do Amolar, no coração do Pantanal. A fazenda era administrada por seu pai, José de Carvalho Corrêa. Sua mãe, Terezinha Araújo Corrêa, era professora e dava aulas para índios Guatós. Quando Paulo Corrêa e seus dois irmãos atingiram idade escolar a família retornou para Campo Grande.

Educação, formação acadêmica e trabalho

Paulo Corrêa cursou a pré-escola e parte do ensino fundamental na Escola da Igreja Nossa Senhora de Fátima, estudou no Colégio Perpétuo Socorro e concluiu o ensino médio no Colégio Dom Bosco. No período entre o término da formação escolar e o ingresso na universidade conquistou o seu primeiro emprego que foi como vendedor na Casa das Redes, na época localizada na Rua 14 de Julho, centro de Campo Grande. Mas, a admiração pelo pai, que era mestre de obras, fez Paulo Corrêa se apaixonar pela engenharia civil. Empenhado em tornar-se engenheiro mudou-se para o Rio de Janeiro em 1973, estudou no cursinho Miguel Couto Baihense e foi aprovado nos vestibulares das universidades Mackenzie, em São Paulo e Gama Filho, no Rio de Janeiro, para cursar Engenharia Civil, optando pela Gama Filho onde ingressou em 1976.

Durante o período acadêmico estagiou em empresas privadas e na Usina Hidrelétrica de Itaipu, que na época estava em construção. Formou-se em 1980 e no mesmo ano retornou para Campo Grande. De volta à Capital Morena, Paulo Corrêa dedicou-se a profissão e exerceu atividades em construtoras e imobiliárias. De 1980 a 1982 foi diretor da empresa Diretriz Engenharia Ltda., contribuindo com a elaboração de projetos de construção de estradas para os estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina. Na empresa Financial Imobiliária S/A atuou como diretor técnico e lançou importantes obras e edificações de luxo. Posteriormente também exerceu a função de diretor técnico na Financial Construtora Ltda. e implantou a Indústria de Pedra Britada.

Vida Pública

Secretário de Estado de Habitação e Desenvolvimento Urbano

A competência e dedicação à frente da profissão levaram Paulo Corrêa a ser convidado em 1991, pelo então governador do Estado de Mato Grosso do Sul, Pedro Pedrossian, a ocupar o cargo de Secretário de Estado de Habitação e Desenvolvimento Urbano. Durante os três anos em que exerceu a função Paulo Corrêa desenvolveu diversas ações importantes, a principal delas o "Programa Desfavelamento", considerado o maior programa de extinção de favelas do Estado e que eliminou todos os grandes núcleos de favelas de Campo Grande. As mais de 13 mil famílias removidas dessas áreas foram assentadas em conjuntos habitacionais construídos pela Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano de Mato Grosso do Sul (CDHU/MS).

Partidos Políticos

Em 1993 Paulo Corrêa filiou-se ao Partido da Frente Liberal (PFL), hoje extinto. Foi pelo PFL que disputou sua primeira eleição. Três anos depois, em 1996, deixou o PFL e filiou-se ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), pelo qual disputou as eleições de 1998. Em 2000 passou a fazer parte do Partido Liberal (PL) que em 2006 se transformou em Partido da República (PR) devido à fusão com o PRONA (Partido da Reedificação da Ordem Nacional). Pelo PR Paulo Corrêa já disputou três eleições.

Mandatos

1º de fevereiro de 1997 a 31 de dezembro de 1998

Candidato a deputado estadual em 1994, Paulo Corrêa obteve 11.066 votos e conquistou a primeira suplência. Três anos depois, em 1997 e com 39 anos, assumiu a vaga no parlamento estadual ocupando o lugar de Éder Brambilla, eleito prefeito de Corumbá nas eleições de 1996. Em seu primeiro mandato, que durou dois anos, Paulo Corrêa foi presidente da Comissão Permanente de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul e apresentou vários projetos importantes, entre eles o que criou a conhecida "Lei das Águas Cristalinas" (Lei Nº 1871/98), que estabeleceu formas de conservação da natureza, proteção do meio ambiente e defesa das margens dos Rios da Prata Formoso e seus afluentes.

1º de fevereiro de 1999 a 31 de dezembro de 2002

Reeleito em 1998 com 13.051 votos, Paulo Corrêa presidiu no segundo mandato a Comissão Parlamentar de Inquérito do Leite – CPI DO LEITE, que apurou denúncias de irregularidades no setor, contribuindo para verificação da qualidade do produto à disposição do consumidor e propôs novas alternativas de comercialização do leite em MS.

1º de fevereiro de 2003 a 31 de dezembro de 2006

Nas eleições de 2002 Paulo Corrêa conquistou 19.851 votos e retornou à Assembleia Legislativa para o seu terceiro mandato no Parlamento Estadual. Além de integrar a Mesa Diretora, foi vice-presidente da Comissão Permanente de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e presidente da Comissão Permanente de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Agrário. No mesmo período contribuiu com Mato Grosso do Sul na busca e efetiva implantação de empresas comerciais e industriais que geraram empregos e renda para a população.

1º de fevereiro de 2007 a 31 de dezembro de 2010

Nas eleições de 2006, mais uma vez candidatou-se a deputado estadual, alcançando uma das maiores votações do Estado e conquistando, por meio da confiança do povo, o seu quarto mandato consecutivo com expressivos 32.501 votos. Durante o mandato Paulo Corrêa atuou em vários setores, mas, sobretudo, priorizando as áreas de saúde, educação e geração de emprego e renda. Presidiu a Comissão Permanente de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Assembleia Legislativa de MS, norteado pela necessidade da conservação ambiental e adoção de critérios para diversificação econômica através do desenvolvimento sustentável.

Atuou ainda como presidente da Frente Parlamentar de Apoio a Indústria e Presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito da Enersul – CPI DA Enersul, instaurada com o objetivo de analisar reajustes nas contas de energia elétrica residenciais, comerciais e industriais, visando detectar e coibir abusos que refletiam diretamente no orçamento dos cidadãos de Mato Grosso do Sul. Baseada nos resultados da CPI a Justiça determinou a devolução em dinheiro de valores cobrados indevidamente dos consumidores sul-mato-grossenses.

1º de fevereiro de 2011 a 31 de dezembro de 2014

Em 2010, Paulo Corrêa foi eleito com mais de 35 mil votos. Nos anos de 2011 e 2012 ocupou o cargo de primeiro-secretário da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, foi presidente da Comissão Permanente de Turismo, Indústria e Comércio e presidente da Comissão Permanente de Acompanhamento da Execução Orçamentária. O ano de 2014 foi marcado por ações importantes em prol do Estado. Na área ambiental Paulo Corrêa apresentou projeto de lei para proibir a degradação das nascentes dos rios de águas cristalinas e foi empossado Conselheiro do Conselho Estadual de Recursos Hídricos do Estado (CERH/MS). Na área da saúde contribui com a realização de centenas de ações de prevenção de câncer de mama nos municípios. Na Assembleia apresentou pedidos de melhorias para as cidades e atuou em conjunto com o governo do Estado, prefeituras e federações pela instalação de novas indústrias nos municípios e geração de emprego, renda, além de viabilizar capacitação de mão de obra para os trabalhadores.

1º de fevereiro de 2015 até a atualidade

Superando a eleição anterior, nas eleições de 2014 Paulo Corrêa foi eleito com 39.540 votos, sendo o segundo deputado mais votado do Mato Grosso do Sul. No ano de 2015 liderou na Assembleia o Bloco Suprapartidário formado pelos pequenos partidos (PR, PDT, PTdoB, PSB, DEM, PDT, PDT, e PEN) e foi eleito presidente da Comissão de Turismo, Indústria e Comércio e da Comissão para Acompanhamento do Preço do Óleo Diesel, realizando um trabalho inédito em Mato Grosso do Sul. Oficializou na Casa de Leis a proposta de utilizar o dinheiro destinado ao pagamento dos juros da dívida de MS com a União para aquisição de propriedades particulares consideradas indígenas.

Em outubro de 2015 foi eleito relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Conselho Indigenista Missionário (CIMI), que teve o objetivo de investigar se o CIMI incentiva invasões de terras em Mato Grosso do Sul, e eleito membro da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigou a "ação/omissão do Estado de Mato Grosso do Sul nos casos de violência praticada contra os povos indígenas, entre os anos de 2000 e 2015.

Na área da saúde apresentou o projeto que criou a Lei Nº 4.871 que garante atendimento domiciliar a todos os pacientes crônicos acamados em Mato Grosso do Sul. Já a Lei Nº 4.727, de sua autoria, autorizou a incineração de resíduos comerciais, industriais e hospitalares, além da combustão de lixo destinado à produção de energia no Estado.

Em 2016 o Governo do Estado sancionou a Emenda Constitucional de autoria do deputado Paulo Corrêa que criou a emenda impositiva, garantindo que todas as emendas acrescentadas ao orçamento sejam executadas. E, sensibilizado com a situação das populações indígenas do Estado, Paulo Corrêa propôs e colaborou com a criação do primeiro Fórum dos Caciques de Mato Grosso do Sul, que uniu os principais líderes indígenas na busca pelos direitos dos seus povos.

Na esfera ambiental Paulo Corrêa apresentou o Projeto de Lei 00188/2016, que estabelece conceitos, objetivos, diretrizes e ações da Política Estadual de Preservação dos Serviços Ambientais (PESA), institui o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais (PEPSA) e cria o Fundo Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais (FEPSA). O projeto está em tramitação na Assembleia.

Seja o primeiro a comentar!

Restam caracteres. * Obrigatório
Digite as 2 palavras abaixo separadas por um espaço.