Campo Grande, Terça-feira 19 de setembro de 2017
11/09/2017 12h55 - Atualizado em 11/09/2017 12h55

Empresa não cumpre contrato e Temer pune usuário com alta de até 8,6% no pedágio da 163


Por EDIVALDO BITENCOURT

Empresa pegou financiamento, teve lucro e parou obra. Mas só usuário é prejudicado com nova política: reajuste abusivo e acima da inflação Empresa pegou financiamento, teve lucro e parou obra. Mas só usuário é prejudicado com nova política: reajuste abusivo e acima da inflação

Os novos tempos no Brasil são tenebrosos. A última medida do presidente Michel Temer (PMDB) é o reajuste no pedágio cobrado pela CCR MS Via na BR-163. A empresa não cumpriu o contrato de duplicar a rodovia, mas quem foi punido na história será o usuário, que vai pagar até 8,6% mais cara pela tarifa de pedágio em Mato Grosso do Sul.

Ao assinar o contrato em 2014, a concessionária assumiu o compromisso de só iniciar a cobrança do pedágio quando estivesse com 10% da via duplicada. Em setembro de 2015, a CCR cumpriu o acordo e pode ativar as nove praças de pedágio ao longo dos 847 quilômetros da via, que interliga os estados do Mato Grosso e Paraná.

No entanto, na expectativa de ser contemplada com uma medida provisória, que deverá estender o prazo para duplicar a via de cinco para 12 anos, a empresa decidiu parar as obras de duplicação no Estado.

Suspendeu os serviços e comunicou a ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre). No mesmo documento, a empresa solicitou a revisão do contrato, porque não teria condições de cumprir as exigências, porque os bancos públicos suspenderam o financiamento.

O cidadão tem motivos para ficar revoltado. A companhia obteve financiamento de R$ 737 milhões para duplicar a rodovia, dos quais já foram sacados R$ 254 milhões. Apesar do dinheiro em caixa, parou a duplicação da via, que daria mais conforto aos motoristas e reduziria o número de acidentes na rodovia.

Conforme o último balanço disponível, do primeiro trimestre deste ano, houve aumento de 11,6% no faturamento da CCR, de R$ 153,1 milhões para R$ 170,9 milhões. Teve até lucro, de R$ 7,1 milhões, apesar de estar no terceiro ano de contrato.

No mês passado, após a aprovação da mudança no contrato pelo Congresso Nacional, a empresa anunciou que vai retomar a duplicação da BR-163.

Contudo, a ANTT não considerou que haverá mudança no contrato, já que a concessionária ganhará mais prazo para duplicar a rodovia e não cumpriu o exigido para este ano.

Aliás, o Governo de Michel Temer fez pior, vai punir o usuário com aumento abusivo, de 5,4% a 8,6% na tarifa de pedágio. O índice é o dobro da inflação acumulada em 12 meses, de 2,46%. Em alguns casos, é três vezes superior ao aumento do custo de vida no período.

A partir de quinta-feira, o pedágio passará a custar entre R$ 3,90 para motos até R$ 46,80 para carretas no posto de Campo Grande. Para veículos, o valor oscilará entre R$ 5 (em Mundo Novo) e R$ 7,80 (na Capital).

Enquanto a CCR MS Via fatura, o cidadão se desdobra em trabalhar para sobreviver e garantir os lucros milionários ao amigo do presidente.

Seja o primeiro a comentar!

Restam caracteres. * Obrigatório
Digite as 2 palavras abaixo separadas por um espaço.